Total de visualizações de página

domingo, 23 de outubro de 2011

A divisão das horas do dia nos tempos bíblicos

A divisão das horas do dia nos tempos bíblicos



Na Bíblia a idéia primária da palavra DIA é em referência à parte clara que vai do nascer ao pôr-do-sol.
No início dos tempos, o período de 24 horas era dividido em duas partes: Êrev (tarde) e Bôker (manhã). Érev começava ao pôr-do-sol, ou conforme Gênesis 3:8, “viração do dia”, e terminava ao nascer do sol, onde começava o Bôker. Até hoje os judeus usam a palavra ”êrev” como referência à primeira parte da noite que vai depois do pôr-do-sol até por volta das 22 horas, período em que usam a expressão “êrev tôv” (“boa noite”, ao chegar) e “laila tôv” (“boa noite”, ao sair).
Depois, a parte clara do dia (Bôker) começou a ser dividido, e o meio-dia era chamado “maior calor do dia”, quando todos procuravam abrigo e faziam sua refeição (almoço) e depois a sesta (Gênesis 18:1-4; 2 Samuel 4:5). Posteriormente essa hora passou a ser chamada de “meio-dia” (em hebraico: צהרים [TSOHORÁIM], plural de צהר [TSOHAR], que por sua vez procede do verbo צהר  [TSAHAR] = “reluzir”, mas que também veio a significar espremer azeite, extrair azeite pelo fato de que nos primórdios o meio dia era a melhor hora para tal ato por causa da oliva que estava “amaciada” pelo calor do meio-dia) - Gênesis 43:16, 25; 2 Samuel 4:5.

Já no primeiro século d.C., os judeus já haviam adotado a contagem greco-romana de 12 horas para o dia, e a ela Jesus fez referência:

Respondeu Jesus: Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz.” (João 11:9, 10)

O senhor Jesus e os escritores sagrados usaram a divisão greco-romana das horas do dia para situarem acontecimentos importantes em suas narrativas como veremos logo mais.
As horas do dia eram contadas desde a alvorada (por volta das seis da manhã) até o pôr-do-sol (por volta das seis da tarde) e eram divididas em doze partes, sendo três as principais entre o nascer do sol (primeira hora) e o poente (duodécima hora): hora terceira (pro volta das nove horas – Mateus 20:3; Marcos 15:25; Atos 2:15), hora sexta (pro volta do meio-dia –  Mateus 20:5; 27:45; João 4:6; 19:14; Atos 10:9) e hora nona (por volta das três da tarde  Mateus 27:45, 46; Atos 3:1; 10:3, 30).
Mas, quando havia a necessidade de se dar com mais exatidão a hora, as outras eram citadas, como por exemplo, o horário da cura do servo do oficial romano: hora sétima (13:00 hs) – João 4:49-53 – e  hora undécima, na narração da parábola dos trabalhadores da vinha (Mateus 20:6, 9). Nesta parábola o Senhor faz referência às várias horas do dia claro: indiretamente à primeira hora (vs. 1-2), terceira hora (vs. 3-4), hora sexta (v. 5) e hora undécima (vs. 6 e 9) e o cair da tarde (hora duodécima - v. 8).

No dia da crucificação do Senhor as três principais horas são dadas: a hora da crucificação: hora terceira (Marcos 15:25) e o período das trevas sobre toda a terra: hora sexta e hora nona (vs. 33, 34).

Logicamente essas horas não eram exatas, mas aproximadas, pois a duração dos dias variava de acordo com a época do ano. (Mateus 20:3, 5; 27:45, 46; Marcos 15:25, 33, 34; Lucas 23:44; João 19:14; Atos 10:3, 9, 30)


Divisões Noturnas
No tempo do Antigo Testamento os judeus dividiam a noite em três vigílias, a saber:

1 - Vigília da noite (Salmo 63:6) ou princípio das vigílias (Lamentações 2:19) que ia desde o sol posto até às 10 horas da noite;

2 - Vigília média ou da meia noite (Juízes 7:19) que principiava às 10 horas da noite e prolongava-se até às duas horas da madrugada;

3- Vigília da manhã (1 Samuel 11:11) que ia desde as duas horas da manhã até ao nascer do sol.

Em tempos posteriores, a noite começou a ser dividida, segundo o costume dos romanos, em quatro vigílias (desde as 6 horas da tarde às 6 horas da manhã), de três horas cada uma (Mt 14.25; Lc 12.38). Em Marcos 13.35, as quatro vigílias são designadas pelo nome especial de cada uma.

Assim como aconteceu à divisão das horas do dia, a divisão romana das horas da noite foi também adotada pelos judeus por estarem sob o domínio de Roma, mas também não havia nada de errado com isso, muito pelo contrário, pois havia mais exatidão na contagem das horas. 
Assim sendo, a noite foi também dividida em doze horas, mas as suas partes principais eram subdivididas em quatro vigílias (de três horas cada uma) em vez das três vigílias anteriormente usadas pelos judeus do tempo do Antigo Testamento. O Senhor Jesus fez também referência a essa divisão romana ao falar de sua vinda:

Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã” (Marcos 13:35).

A primeira vigília (latim: prima vigilia) era chamada de “tarde”, “tardinha” que em grego é: οψε (OPSE) que dá a idéia de  “perto do fim do dia”, “ao anoitecer” e ia por volta do pôr-do-sol até cerca das nove da noite (nosso horário);

A segunda vigília (latim: secunda vigilia) era chamada de “meia-noite” que em grego é: μεσονυκτιον (MESONYKTION) e começava por volta das nove horas e terminava à meia-noite;

A terceira vigília (latim: tertia vigilia) era chamada de “canto do galo” que em grego é: αλεκτοροφωνια (ALEKTOROFÔNIA) e ia da “meia-noite” a cerca das três horas. O Senhor Jesus fez referência ao cantar do galo ao dizer a Pedro que antes que o galo cantasse, naquela mesma noite este o negaria três vezes. Mateus 26:34; Lucas 22:34. E de fato aconteceu nas primeiras horas da madrugada (Marcos 14:68, 72.)

E a quarta e última vigília (latim: quarta vigilia) era chamada de “cedo”, isto é, “cedo de manhã”, que em grego é:  προι (PROI) findava na aurora, por volta das seis horas. Foi na quarta vigília da noite que o senhor Jesus andou sobre as águas ao encontro dos seus discípulos que estavam no barco (Marcos 14:25). Foi no término deste horário que o Senhor, depois de ter pernoitado na cidade de Betânia ao dirigir-se de volta a Jerusalém, no caminho, teve fome e encontrou uma figueira sem frutos e a amaldiçoou a fim de dar uma lição de fé aos seus discípulos. (Mateus 21:17-22). Foi também nesta vigília que o Senhor ressuscitou de entre os mortos no primeiro dia da semana. (Marcos 16:2). Também: João 18:28.

Como foi dito, além das quatro vigílias, também estava em uso uma contagem de 12 horas para a noite, mas pelo que sei até agora, só há uma referência a uma parte dela no Novo Testamento, quando o comandante militar Cláudio Lísias mandou que dois de seus centuriões aprontassem um destacamento de 470 soldados a fim de escoltar o apóstolo Paulo em segurança até Cesaréia na “hora terceira da noite” (21:00 hs.) – Atos 23:23, 24.







Por: Luís Antônio Lima dos Remédios - o Cacerege
luis-agape@hotmail.com
cacerege@gmail.com
Manaus - Amazonas - Brasil


______________________________________________________


Estudos já postados:

01- O Novo Testamento NÃO Foi Escrito em Hebraico e/ou Aramaico

02- O espiritismo segundo [alguns] “evangélicos”

03- Adultério do Coração

04- Santa Ceia: vinho ou suco de uva?

05- O Dia do Senhor: Sábado ou Domingo?

06- O Que a Bíblia Diz Sobre a Idolatria

07- Deuterocanônicos ou Apócrifos?

08- A divisão das horas do dia nos tempos bíblicos

09- O Inferno

10- Deus e deuses

11- 30 Razões Porque Não Guardo o Sábado

12- O Nome JESUS

13- O Verbo era um deus?

14- A Divindade de Cristo negada entre colchetes

15- Cruz ou estaca de tortura?

16- YHWH – Um Nome que será esquecido para sempre
  
17- Alma, corpo e espírito

18- A Peshitta confirma o Novo Testamento grego – 01- CAMELO ou CORDA?

19- A Peshitta confirma o Novo Testamento grego – 02- LEPROSO ou FAZEDOR DE JARROS?

20- Paraíso Hoje ou Um dia?

21- Adultério Virtual

22- KeNUMÁ e os modalistas nazarenos

23- A Virgem Que Concebeu

24- O Tetragrama na Septuaginta Grega (LXX)



Obs.: É permitido a copia para republicações, desde que cite o autor e as respectivas fontes principais e intermediárias.

  
Por: Luís Antônio Lima dos Remédios

Luís - ܠܘܝܣ - לואיס - Λουις



Gostou? Comente.